.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27

.posts recentes

. Castigo de Floribella

. Texto descritivo

. Publicidade

. O tesouro dos sentidos

. Coisas deste livro

. No comboio descendente

. Poema

. Liberdade

. Escrita Criativa

. "Acordei uns dias depois....

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sábado, 13 de Outubro de 2007

Anita e a Doçura

Anita vende a doçura em frascos. Enche-os de compota de fruta, tapa-os e cola-lhes uma etiqueta, mas, em vez de escrever compota disto ou compota daquilo, de mirtilos ou de pêssego, de marmelo ou de morango, arredonda a letra e escreve apenas Doçura. Senta-se no passeio com os frascos defronte, expostos no asfalto, junto aos pés, e não lhe faltam clientes. A compota vende-se muito bem e ninguém regressa para reclamar: quem compra julga que a doçura está toda nos olhos de Anita.

 

Continuação:

 

         Anita não tem pais nem avós vive com a sua tia Ana. Ela tem um coração puro que quando vende um frasco de compota metade do dinheiro guarda-o e a outra metade dá aos pobres.

         Anita é amiga de todas as pessoas que conhece e quando desconfiam da sua compota ela dá-a a provar e se não gostarem ela não leva a mal apenas diz sempre que vai tentar fazer melhor mas isso só aconteceu no primeiro dia.

         Um dia uma das suas clientes habituais passou pelo local em que Anita vende a sua compota e por estranho não a viu. Passou um, dois, três, quatro dias e Anita não aparece, pois estava muito doente. Toda a cidade já tem saudades de comer a compota da Anita e de a ver pois o seu jeito de falar e os olhos dá para perceber que ela tem boas intenções.

         Anita está a sofrer muito com a sua doença pois não tem possibilidades de chamar um médico a casa. Sempre que ela tem uma dor diz se consistisse a fazer a sua compota e a vende-la que as dores lhe passavam. A sua tia como gosta muito dela e estava muito mal por ver a sobrinha naquele estado levou-lhe para cima da cama todo o que é preciso para fazer se compota, Anita ficou muito contente e começou a fazer a compota mas como não podia vende-la pediu a Margarida que é a sua melhor amiga para a vender.

         Margarida assim o fez mas como não é a Anita a vender a compota ninguém compra até que se lembrou de por nos frascos “A Doçura Da Anita”. Quando as pessoas se apercebem que a Margarida está a vender a compota de Anita começam a compra-la.

       Infelizmente Anita não aguentou pois estava cada vez pior, as pessoas quando receberam a notícia ficaram muito tristes, por a Anita ter morrido e porque nunca mais vão comer da sua compota.

         Margarida ficou a cuidar da tia de Anita pois ela está muito em baixo por perder a pessoa que mais ama no mundo.

Ana como sabe que Margarida tem a receita da compota pediu-lhe para fazer um pouco da compota Margarida no fim de a fazer perguntou a Ana se não era má ideia começar a vender outra vez a compota. Ana não concordou muito ao princípio mas depois pensou que é uma maneira de homenagear Anita.

No dia seguinte Margarida foi vender a compota as pessoas ficam contentes por ter de novo a compota há venda mas sempre que a compram dizem que se a compota mudar de nome para elas nunca deixará de ser a compota da Anita. Ana e Margarida também não querem que a doçura mude de nome por isso vai ficar para sempre “A Doçura Da Anita”.                                                                                                                                                                                                                                                             

 

 

 

publicado por Diário de Diana às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Prof. Paulo Faria a 21 de Outubro de 2007 às 01:17
As histórias para serem boas não têm que ter desgraça do princípio ao fim: pode haver coisas bonitas pelo meio. Esta história poderia ser um desses casos. Mas estás no bom caminho, depois de algumas correcções.
De Professor Paulo Faria a 18 de Novembro de 2007 às 23:15
Então, Diana, que se passa? Lamentável que uma aluna que tem que provar o vale. não publique nada há mais de um mês!!

Comentar post

.links